Fratura Úmero Distal

Distal Humerus Fractures of the Elbow

The three bones that come together to form the elbow can break (fracture) in different ways. A distal humerus fracture is one type of elbow fracture. The distal humerus is the end of the upper arm bone (the humerus) that forms the upper part of the elbow.

These types of elbow fractures are fairly uncommon. They account for about 2% of fractures in adults.

The elbow is a complicated joint and elbow fractures can involve both of the forearm bones, as well as the humerus.

A distal humerus fracture is one type of elbow fracture.
Anatomy

The elbow is a joint made up of three bones — the humerus, radius, and ulna. It bends and straightens like a hinge. It is also important for rotating the forearm: the ability to turn our hands up (like accepting change from a cashier) or down (like typing or playing the piano).

  • The humerus is the upper arm bone between the shoulder and the elbow.
  • The radius is one of the forearm bones between the elbow and wrist. When standing with your palm facing up, the radius is on the “thumb side” of the forearm (the lateral side or outside).
  • The ulna is the other forearm bone between the elbow and the wrist, running alongside the radius. When standing with your palm facing up, the ulna is on the “pinky side” of the forearm (the medial side or inside).

Bones of the Elbow

The elbow is made up of parts of all three bones in the arm.

The actual elbow consists of portions of all three bones of the arm:

  • The distal humerus is the center of the elbow “hinge”.
  • The radial head moves around the distal humerus and also rotates when the wrist is turned up and down.
  • The olecranon is the part of the ulna that “cups” the end of the humerus and rotates around the end of the humerus like a hinge.

Soft Tissues

The elbow is held together by ligaments, muscles, tendons, and the shape of the bones themselves.

The elbow is held together by three main things

  • Ligaments connect one bone to another.
  • Muscles and tendons work as “leaders” to move the bones around each other.
  • The actual shape of the bones themselves hold the elbow together in a stable manner.

Distal Humerus

  • The distal humerus is the part of the humerus that “sits” within the “cup” of the ulna, allowing the ulna to move around it. This is elbow motion.
  • The distal humerus is able to be felt beneath the skin as a prominent bone, both on the inside of the elbow above the “funny bone” (the ulnar nerve), and on the outside of the elbow.
  • The distal humerus makes up the upper part of the actual elbow joint. When it is broken, it can make elbow motion difficult or impossible.
Top of page
Description

It is common for the distal humerus to break into several pieces. This type of fracture is called comminuted.

A fracture of the distal humerus occurs when there is a break anywhere within the distal region (lower end) of the humerus

Distal humerus fractures are fairly uncommon. They may occur in an isolated manner (that is, there are no other injuries), but can also be a part of a more complex elbow injury.

Top of page
Cause

Distal humerus fractures may occur in a number of ways:

  • A direct blow. This can happen during a fall (landing directly on the elbow) or by being struck by a hard object (baseball bat, car dashboard or door during a crash).
  • An indirect fracture. This can happen during a fall if a person lands on his or her outstretched arm with the elbow locked straight. The ulna (one of the forearm bones) is driven into the distal humerus, causing it to break.
Top of page
Symptoms

Distal humerus fractures can be very painful and may prevent the patient from moving his or her elbow. Additional symptoms include:

  • Swelling
  • Bruising
  • Pain or tenderness to the touch
  • Stiffness
  • Feeling of instability (“my elbow feels like it wants to pop out”)
  • Pieces of bone may stick out of the skin (rare)
Top of page
Doctor Examination

Someone with a distal humerus fracture will most likely go to the emergency room. These types of injuries are very painful and the patient will not be able to move the elbow.

During the examination, the doctor will:

  • Examine the skin to see if there are any lacerations (cuts). Bone fragments can break through the skin and create lacerations. This leads to an increased risk of infection.
  • Palpate (feel) all around the elbow to determine if there are any other areas of tenderness. This can indicate other broken bones or injuries, such as a dislocated elbow.
  • Check the pulse at the wrist to be sure that good blood flow is getting past the elbow to the hand.
  • Check to see if the patient can move his or her fingers and wrist, and can feel things with his or her fingers. Sometimes, the “funny bone” (ulnar nerve) may be injured at the same time that the bone is broken, which can result in hand and wrist weakness and numbness.
  • The doctor may ask the patient to straighten the elbow. In most cases, the patient will not be able to do this.
  • The doctor may examine the patient’s shoulder, upper arm, forearm, wrist, and hand, even if the patient only complains of pain at the elbow.
Top of page
Tests

X-rays are the most common and widely available diagnostic imaging technique. X-rays create images of dense structures, like bone. They can show whether a bone is intact or broken. An x-ray of the elbow will be taken to determine if a fracture has occurred.

(Left) An x-ray of a healthy elbow. (Right) In this x-ray, the distal humerus fracture is severely displaced (out of place).

Depending on the patient’s symptoms, the doctor may also order x-rays of the upper arm, forearm, shoulder, wrist, and/or hand, These x-rays may reveal more injuries, such as other fractures or dislocations.

Top of page
Treatment

While in the emergency room, the doctor will apply a splint (like a cast) to the elbow and provide a sling to keep the elbow in position. Additional immediate treatment will include applying ice to the elbow and giving the patient pain medicine.

Many distal humerus fractures require surgery, but some stable fractures can be treated without an operation.

Nonsurgical Treatment

If the fracture is not displaced, it may require just a splint or sling to hold the elbow in place during the healing process. The doctor will closely monitor the healing of the fracture, and have the patient return to the clinic for x-rays fairly frequently.

If none of the bone fragments are out of place after a few weeks, the doctor will allow the patient to begin gently moving the elbow. This may require visits with a physical therapist.

The patient will not be allowed to lift anything with the injured arm for a few weeks.

A nonsurgical approach to a distal humerus fracture may require long periods of splinting or casting. The elbow may become very stiff and require a longer period of therapy to regain motion after the cast is removed.

If the fracture shifts in position, the patient may require surgery to put the bones back together.

Surgical Treatment

Surgery for a distal humerus fracture typically involves putting the pieces of the fractured bone back where they belong. Metal implants — such as plates and screws — are used to hold things in place until the bone is fully healed.

Surgical indications. Surgery is usually necessary when:

  • The fracture is out of place (displaced)
  • The fracture is open (pieces of bone have cut the skin). Because the risk of infection is higher in an open fracture, the patient will receive antibiotics by vein (intravenous) in the emergency room, and may require a tetanus shot. The patient will promptly be taken to surgery so that the cuts can be thoroughly cleaned out. The bone will typically be fixed or replaced during the same surgery.

In some cases of severe, open fractures, the doctor may choose to apply an external fixator (bars and pins in the bone outside the surface of the skin) to temporarily hold the bones in place. This gives the skin time to improve before surgery to fix the fracture, and may reduce the risk of infection.

Surgical procedure. Surgery can be done under general anesthesia (going to sleep) or under regional anesthesia (using medicines like novocaine that numb the arm), or both.

During surgery, the patient may lie on his or her back, side, or stomach. If the patient lies on his or her belly, the face (lips, eyelids) may be swollen for a few hours after the operation is over. This is normal and temporary.

The broken bones have been put back together and are held in place with a combination of plates and screws.

The surgeon will typically make an incision over the back of the elbow to reach the fractured bone. There are several ways to hold the pieces of bone in place. The surgeon may choose to use:

  • Pins/wires
  • Screws only
  • Plates and screws
  • Sutures (“stitches”) in the bone or tendons
  • A combination of the above methods

The incision is typically closed with sutures or staples. Sometimes, the surgeon will place a splint on the arm to help take stress off the incision.

Surgical considerations. Different fractures may require specific considerations during the procedure.

  • Ulnar nerve placement. In most cases, the surgeon will need to gently move the ulnar nerve (“funny bone”) to prevent it from being injured during surgery. At the end of the procedure, the ulnar nerve will be put back in place or moved to a slightly different position. This is decided by the surgeon during the procedure, and is usually done to prevent nerve symptoms from occuring in the future.
  • Bone loss. If some of the bone is missing or crushed beyond repair (pieces of bone lost through a wound during an accident), the fracture may require bone filler. Bone filler can be bone supplied by the patient (typically taken from the pelvis) or bone from a bone bank (from a donor), or an artificial calcium-containing material.
  • Osteotomy. Sometimes, the tip of the elbow (olecranon) will be cut so that the surgeon can see the bone fragments. The cut bone is moved out of the way during fracture repair. After the fracture is repaired, the cut olecranon is returned to its original location and repaired.
  • Elbow replacement. If the distal humerus fracture is too severe to fix properly (as often occurs in elderly patients), the elbow may need to be replaced. This procedure is similar to a hip or knee replacement. A metal and plastic implant is attached to the humerus after the broken bits of bone are removed. Another metal and plastic implant is attached to the ulna (forearm bone), and the two implants are connected to form a hinge. These implants may be held in place with bone cement.

Surgical complications. There are risks associated with surgery. If surgery is recommended, the doctor thinks that the possible benefits of surgery outweigh the risks.

  • Infection. There is a risk of infection with any surgery, whether it is for a distal humerus fracture or another purpose.
  • Pain associated with surgery. Pain is controlled in the operating room by an anesthesia team, who can either put the patient to sleep or numb the arm, or both. The doctor will discuss the method of anesthesia with the patient prior to surgery. After surgery, pain is controlled with a combination of pain medications, such as morphine and codeine, and acetaminophen.
  • Damage to nerves and blood vessels. There is a minor risk of damage to nerves and blood vessels around the elbow. This is an unusual side effect.

Although the ulnar nerve is moved during surgery, it typically recovers. Temporary numbness or weakness in the area may occur. This may take weeks or months to disappear. In rare cases, the nerve may be injured during surgery, and further surgery may be required to help the nerve recover.

  • Nonunion. Surgery does not guarantee healing of the fracture. A fracture may pull apart, or the screws, plates, or wires may shift or break. This can occur for a variety of reasons, including:
    • The patient does not follow directions after surgery.
    • The patient has other health issues that slow healing. Some diseases, like diabetes, slow healing. Smoking or using other tobacco products also slow healing.
    • If the fracture was associated with a cut in the skin (an open fracture), healing is often slower.
    • Infections can also slow or prevent healing.

If the fracture fails to heal, further surgery may be needed.

Top of page
Rehabilitation

Whether treatment involves surgery or not, recovery from a distal humerus fracture requires much work.

Nonsurgical Treatment

Rehabilitation typically begins after a few weeks of keeping the arm still by using a splint or a sling. In many cases, a physical therapist will help with rehabilitation, beginning with gentle, range of motion exercises and gradually adding exercises to strengthen the arm.

Surgical Treatment

After surgery, the patient’s elbow may be splinted or casted for a short period of time. The patient may wear a sling if it provides comfort. Pain medications may be provided. Stitches or staples are typically removed 10 to 14 days after surgery, but this depends on the preferences of the surgeon.

Physical therapy. Motion exercises for the elbow and forearm usually begin shortly after surgery, sometimes as early as the next day. It is extremely important that exercises, once started, are performed multiple times a day every day. Sometimes, visits to a physical therapist will be prescribed. If so, the patient should still do exercises at home on days he or she does not work with the therapist. The exercises only make a difference if they are done regularly.

Restrictions. The patient is usually restricted from lifting objects with the injured arm for 6 to 12 weeks.

If the elbow has been replaced, it is possible that lifting with that arm may be permanently restricted. For example, with some elbow replacements, the patient may not be allowed to lift more than five pounds with that arm for the remainder of his or her life.

Restrictions on driving are generally based on the arm that is injured (the right arm is used for shifting gears, for example) and on the use of pain medications. Narcotics, such as morphine or codeine, impair judgment and, therefore, impair the patient’s ability to drive a vehicle.

Side effects. Some numbness in the pinky side of the hand or weakness of the hand and wrist may result from the surgery. This is caused by stretching of the ulnar nerve during surgery, and is often temporary and resolves over time.

Especially early after surgery, some patients may not be able to straighten the injured elbow on their own. To straighten the elbow, the patient needs to use his or her uninjured arm to help out, or assistance from another person. This is more common when other fractures have also occurred, or when the tip of the elbow had to be cut and repaired during the operation.

Outcomes

Goals. The eventual goal of treatment for a distal humerus fracture is to regain full motion of the elbow, as it was prior to the injury.

Some patients may return to their normal activities (except sports and heavy labor) within about 6 months, although full healing can take a year or two. Although x-rays may show that the fracture has healed completely, many patients will report that they are still not feeling 100% better. These patients will continue to improve as time passes.

Recovering strength in the arm takes much longer than might be expected; sometimes 6 months or more.

Considerations. In some cases, people with distal humerus fracture have long-term problems.

  • Range of motion. Even after the fracture has healed, full motion of the elbow may not be possible. In most of these cases, the patient cannot fully straighten his or her arm. Typically, loss of a few degrees of straightening will not have an impact on how well the arm will work in the future, including for sports or heavy labor. Loss of a significant amount of motion may require intensive physical therapy, special bracing, or further surgery to correct this problem. This is uncommon for distal humerus fractures.
  • Heterotopic ossification (HO). A rare problem that may occur after surgery is the growth of bone in the muscles, tendons, and ligaments around the elbow. This is called heterotopic ossification. When this occurs, bone is growing where it should not be and can block movement of the elbow.

Stretching will not help with this problem. If extra bone forms and limits motion significantly or completely, further surgery may be required to remove the extra bone.

This surgery is often delayed until the bone has stopped growing (until it has “matured”) so that it will not grow back again once it is removed. If the extra bone requires removal, intense physical therapy will be necessary following surgery so that the range of motion restored during surgery is not lost. During the first six weeks, this therapy can be rather painful, and some loss of motion will occur. However, for motivated patients, exercises to help recover range of motion may resume following this time period.

Surgeons do not fully understand why HO happens in some patients. Many doctors think early elbow motion exercises and patients’ motivation to get better quickly can help prevent this problem.

  • Elbow arthritis. Elbow arthritis causes the elbow joint to become stiff and painful. It is an unfortunate, but relatively common, long-term outcome of distal humerus fractures.

Elbow arthritis can occur rapidly following the fracture, or it may take years to develop. It occurs if the lining of the elbow joint (cartilage) was damaged from the fracture, or if the fracture leads to the lining wearing away over time.

Keep in mind that not everyone who breaks their distal humerus will develop elbow arthritis. In addition, elbow arthritis is not always painful. It does not always limit an individual’s ability to use the arm, and if it is not bothersome, it does not require medical treatment.

Fraturas do úmero distal do Elbow

Os três ossos que se juntam para formar o cotovelo pode quebrar (fractura) de diferentes formas. A fratura distal do úmero é um tipo de fratura de cotovelo. O úmero distai é a extremidade do osso da parte superior do braço (úmero) que forma a parte superior do cotovelo.

Estes tipos de fraturas do cotovelo são bastante incomuns. Eles representam cerca de 2% das fraturas em adultos.

O cotovelo é um conjunto complexo e fracturas cotovelo pode envolver tanto dos ossos do antebraço, bem como do úmero.

A fratura distal do úmero é um tipo de fratura de cotovelo.
Anatomia

O cotovelo é uma articulação composta por três ossos – o úmero, rádio e ulna. Dobra-se e endireita como uma dobradiça. Também é importante para girar o antebraço: a capacidade de transformar as nossas mãos para cima (como aceitar a mudança de uma caixa) ou para baixo (como digitar ou tocar piano).

  • O úmero é o osso do braço entre o ombro eo cotovelo.
  • O raio é um dos ossos do antebraço entre o cotovelo e o pulso. Quando em pé com a palma virada para cima, o raio é sobre o “lado do polegar” do antebraço (do lado lateral ou no exterior).
  • O cúbito é o osso do antebraço outra entre o cotovelo e o pulso, correr ao longo do raio.Quando em pé com a palma virada para cima, a ulna está no lado “mindinho” do antebraço (do lado medial ou interior).

Ossos do cotovelo

O cotovelo é composta por partes de todos os três ossos do braço.

O cotovelo real consiste de porções de todas as três ossos do braço;

  • O úmero distai é o centro do cotovelo “dobradiça”.
  • A cabeça radial se move em torno do úmero distal e também gira quando o pulso está ligado cima e para baixo.
  • O olecrânio é a parte da ulna que “copos” do fim do úmero e gira em torno da extremidade do úmero como uma dobradiça.

Tecidos moles

O cotovelo é realizada em conjunto por ligamentos, músculos, tendões, ea forma dos ossos si.

O cotovelo é realizada em conjunto por três coisas principais

  • Ligamentos conectam um osso ao outro.
  • Músculos e tendões trabalhar como “líderes” para mover os ossos em torno de si.
  • A forma real dos próprios ossos juntos seguram o cotovelo de uma forma estável.

Úmero distal

  • O úmero é a parte distal do úmero que “fica” dentro da “taça” do cúbito, permitindo que o cúbito até a mover-se em torno dele. Este é o movimento do cotovelo.
  • O úmero distai é capaz de ser sentida sob a pele como um osso proeminente, tanto no interior do cotovelo acima do “osso cubital” (o nervo ulnar), e na parte externa do cotovelo.
  • O úmero distal faz-se a parte superior da junta do cotovelo real. Quando ele está quebrado, ele pode fazer o movimento do cotovelo difícil ou impossível.
Descrição

É comum que os úmero distal para quebrar em vários pedaços. Este tipo de fratura é chamada triturado.

Uma fractura do úmero distal ocorre quando existe uma ruptura em qualquer lugar no interior da região distai (parte inferior) do úmero

Fraturas do úmero distal são bastante incomuns. Eles podem ocorrer de uma maneira isolada (isto é, não há outros tipos de lesões), mas também pode ser uma parte de uma lesão no cotovelo mais complexa.

Causar

Úmero distais possam ocorrer em um número de maneiras:

  • Um golpe direto. Isso pode acontecer durante uma queda (landing diretamente no cotovelo) ou por ser atingido por um objeto duro (taco de beisebol, painel do carro ou a porta durante um acidente).
  • Uma fratura indireta. Isso pode acontecer durante uma queda, se uma pessoa cair em seu braço estendido com o cotovelo bloqueado em linha reta. O cúbito (um dos ossos do antebraço) é conduzido para o úmero distal, fazendo com que ele quebre.
Sintomas

Fraturas do úmero distal pode ser muito dolorosa e pode evitar que o paciente se movimente seu cotovelo. Outros sintomas incluem:

  • Inchaço
  • Hematomas
  • Dor ou sensibilidade ao toque
  • Rigidez
  • Sensação de instabilidade (“meu cotovelo parece que quer sair”)
  • Pedaços de osso pode ficar fora da pele (rara)
Exame médico

Alguém com uma fratura de úmero distal provavelmente irá para a sala de emergência. Estes tipos de lesões é muito dolorosa e o paciente não será capaz de mover o cotovelo.

Durante o exame, o médico irá:

  • Examinar a pele para ver se existem quaisquer lacerações (cortes). Fragmentos de ossos pode romper a pele e criar lacerações. Isto leva a um aumento do risco de infecção.
  • Palpar (sentir) em todo o cotovelo para determinar se existem outras áreas de ternura. Isso pode indicar outros ossos quebrados ou lesões, como um cotovelo deslocado.
  • Verifique o pulso no pulso para ter certeza de que um bom fluxo sanguíneo está ficando passado o cotovelo até a mão.
  • Verifique se o paciente pode mover seus dedos e pulso, e pode sentir as coisas com os seus dedos. Por vezes, o “osso cubital” (ulnar) pode ser ferido, ao mesmo tempo que o osso é quebrado, o que pode resultar na mão e pulso fraqueza e dormência.
  • O médico pode pedir ao paciente para endireitar o cotovelo. Na maioria dos casos, o paciente não será capaz de fazer isto.
  • O médico pode examinar o ombro do paciente, braço, antebraço, punho e mão, mesmo que o paciente só se queixa de dor no cotovelo.
Testes

Os raios X são a técnica de diagnóstico mais comum e amplamente disponível. Raios-X criar imagens de estruturas densas, como o osso. Eles podem mostrar-se um osso está intacta ou quebrados. Um raio-x do cotovelo será levado para determinar se ocorreu uma fratura.

(Esquerda) Um raio-x de um cotovelo saudável. (Direito) Neste raio-x, a fratura do úmero distal é severamente deslocado (fora do lugar).

Dependendo dos sintomas do paciente, o médico também pode solicitar raios-x do braço, antebraço, ombro, punho e / ou mão, Esses raios-x pode revelar mais lesões, como outras fraturas ou luxações.

Tratamento

Enquanto na sala de emergência, o médico irá aplicar uma tala (como um cast) para o cotovelo e fornecer uma tipóia para manter o cotovelo na posição. Tratamento imediato adicional vai incluir a aplicação de gelo no cotovelo e dando a medicina da dor do paciente.

Muitos úmero distais requerem cirurgia, mas algumas fracturas estáveis ​​podem ser tratados sem uma operação.

Tratamento não-cirúrgico

Se a fratura não é deslocado, pode exigir apenas uma tala ou tipóia para segurar o cotovelo no lugar durante o processo de cicatrização. O médico irá acompanhar de perto a cura da fratura, e ter o retorno do paciente ao consultório para raios-x com bastante frequência.

Se nenhum dos fragmentos do osso estão fora do lugar, após algumas semanas, o médico irá permitir que o doente comece a mover suavemente o cotovelo. Isso pode exigir visitas com um fisioterapeuta.

O doente não será autorizado a levantar qualquer coisa com o braço ferido para algumas semanas.

A abordagem não-cirúrgica a uma fratura do úmero distal pode exigir longos períodos de imobilização ou fundição. O cotovelo pode tornar-se muito rígida e requer um longo período de terapia para recuperar o movimento depois de o molde é removido.

Se a fratura se desloca em posição, o paciente pode necessitar de cirurgia para colocar os ossos de volta juntos.

Tratamento Cirúrgico

Cirurgia para uma fratura de úmero distal normalmente envolve colocar os pedaços do osso fraturado de volta onde eles pertencem. Implantes metálicos – como placas e parafusos – são usados ​​para manter as coisas no lugar até que o osso está totalmente curado.

. Indicações cirúrgicas cirurgia geralmente é necessária quando:

  • A fratura está fora de lugar (deslocado)
  • A fratura está aberta (pedaços de ossos que cortar a pele). Porque o risco de infecção é maior em uma fratura exposta, o paciente vai receber antibióticos por veia (intravenosa) na sala de emergência, e pode exigir uma vacina antitetânica. O paciente será prontamente levado para a cirurgia de modo que os cortes podem ser completamente esvaziado. O osso normalmente ser corrigido ou substituído durante a mesma cirurgia.

Em alguns casos de graves, fracturas abertas, o médico pode escolher aplicar um fixador externo (barras e os pinos no osso fora da superfície da pele) para armazenar temporariamente os ossos no lugar. Isto dá o tempo antes da pele para melhorar a cirurgia para corrigir a fractura, e pode reduzir o risco de infecção.

Procedimento cirúrgico. Cirurgia pode ser feita sob anestesia geral (de ir dormir) ou sob anestesia regional (usando medicamentos como novocaine que entorpecer o braço), ou ambos.

Durante a cirurgia, o paciente pode deitar-se de costas, de lado, ou no estômago. Se o paciente encontra-se em seu ventre, o rosto (lábios, pálpebras) podem ser inchada por algumas horas após a operação terminou. Isso é normal e temporário.

Os ossos quebrados foram colocados juntos e são mantidos no lugar com uma combinação de placas e parafusos.

O cirurgião irá tipicamente fazer uma incisão sobre a parte traseira do cotovelo para atingir o osso fracturado. Existem várias maneiras de manter os pedaços de osso no lugar. O cirurgião pode optar por usar:

  • Pinos / fios
  • Apenas parafusos
  • Placas e parafusos
  • Suturas (“pontos”) no osso ou tendões
  • Uma combinação dos métodos acima

A incisão é geralmente fechada com suturas ou grampos. Às vezes, o cirurgião irá colocar uma tala no braço para ajudar a tirar o stress fora da incisão.

Considerações cirúrgicas. Diferentes fraturas pode exigir considerações específicas durante o procedimento.

  • Colocação do nervo ulnar. Na maioria dos casos, o cirurgião vai precisar se deslocar suavemente o nervo ulnar (“osso engraçado”) para evitar que sejam feridos durante a cirurgia. No final do procedimento, o nervo ulnar será colocado de volta no lugar ou movido para uma posição ligeiramente diferente.Isto é decidido pelo cirurgião durante o procedimento, e normalmente é feito para prevenir os sintomas nervosos ocorram no futuro.
  • Perda óssea. Se algum do osso está faltando ou esmagados além do reparo (pedaços de osso perdido através de uma ferida durante um acidente), a fratura pode exigir ósseas. Enchimento de osso pode ser fornecido pelo osso do paciente (normalmente feita a partir da bacia) ou de osso a partir de um banco de ossos (a partir de um dador), ou um material contendo cálcio artificial.
  • Osteotomia. Às vezes, a ponta do cotovelo (olecrânio) vai ser cortado, para que o cirurgião possa ver os fragmentos ósseos. O osso corte é movido para fora do caminho durante a reparação de fraturas. Após a fratura for reparado, o olécrano corte é devolvido ao seu local original e reparado.
  • Substituição do cotovelo. Se a fratura no úmero distal for muito grave para corrigir adequadamente (como ocorre frequentemente em pacientes idosos), o cotovelo podem precisar de ser substituído. Este procedimento é semelhante ao de substituição da anca ou do joelho. Um implante de metal e de plástico é ligada ao úmero após os pedaços quebrados de osso são removidos. Um outro implante de metal e de plástico é ligada ao cúbito (osso do antebraço), e os dois implantes são ligados para formar uma charneira. Estes implantes podem ser mantidos no lugar com cimento ósseo.

As complicações cirúrgicas. Existem riscos associados com a cirurgia. Se a cirurgia é recomendada, o médico acha que os possíveis benefícios da cirurgia superam os riscos.

  • Infecção. Há um risco de infecção com qualquer cirurgia, seja para uma fratura de úmero distal ou outra finalidade.
  • Dor associada com a cirurgia. Dor é controlado na sala de cirurgia por uma equipe de anestesia, que pode colocar o paciente para dormir ou adormecer o braço, ou ambos. O médico vai discutir o método de anestesia com o paciente antes da cirurgia. Após a cirurgia, a dor é controlada com uma combinação de medicamentos para a dor, tais como a morfina e a codeína, e acetaminofeno.
  • Danos nos nervos e vasos sanguíneos. Existe um pequeno risco de dano para os nervos e os vasos sanguíneos de todo o cotovelo. Este é um efeito colateral comum.

Embora o nervo ulnar é movido durante a cirurgia, que normalmente se recupera.Pode ocorrer dormência temporária ou fraqueza na área. Isso pode demorar semanas ou meses para desaparecer. Em casos raros, o nervo pode ser lesado durante a cirurgia, e uma nova cirurgia pode ser necessária para ajudar a recuperar o nervo.

  • Não sindicalizados. Cirurgia não garante a cura da fratura. A fratura pode separar ou os parafusos, placas, ou fios pode mudar ou quebrar. Isto pode ocorrer por uma variedade de razões, incluindo:
    • O paciente não seguir as instruções após a cirurgia.
    • O paciente tem outros problemas de saúde que a cura lenta. Algumas doenças, como diabetes, cicatrização lenta. Fumar ou usar outros produtos do tabaco também retardar a cura.
    • Se a fratura foi associada com um corte na pele (uma fractura aberta), a cura é muitas vezes mais lento.
    • Infecções também pode retardar ou impedir a cura.

Se a fratura não curar, pode ser necessária uma nova cirurgia.

Reabilitação

Se o tratamento envolve cirurgia ou não, a recuperação de uma fratura de úmero distal requer muito trabalho.

Tratamento não-cirúrgico

Reabilitação normalmente começa depois de algumas semanas de manter o braço ainda usando uma tala ou tipóia. Em muitos casos, um fisioterapeuta irá ajudar com a reabilitação, começando com suave, a gama de exercícios de movimento e adicionando gradualmente exercícios para fortalecer o braço.

Tratamento Cirúrgico

Após a cirurgia, o cotovelo do paciente pode ser imobilizada ou fundido durante um curto período de tempo. O paciente pode usar uma tipóia se proporciona conforto. Pode ser proporcionado Analgésicos. Grampos ou suturas são tipicamente retirados de 10 a 14 dias após a cirurgia, mas este depende das preferências do cirurgião.

Fisioterapia. Exercícios de movimento para o cotovelo e antebraço geralmente começam logo após a cirurgia, às vezes mais cedo no dia seguinte. É extremamente importante que o exercício, uma vez iniciada, são realizadas várias vezes por dia, todos os dias. Às vezes, visitas a um fisioterapeuta será prescrito. Se assim for, o paciente deve ainda fazer exercícios em casa no dia que ele ou ela não funciona com o terapeuta. Os exercícios só fazem a diferença se eles são feitos regularmente.

Restrições. O paciente é geralmente impedida de levantar objectos com o braço ferido durante 6 a 12 semanas.

Se o cotovelo foi substituído, é possível que o levantamento com que o braço pode ser permanentemente restrito. Por exemplo, com algumas substituições de cotovelo, o paciente pode não ser autorizado a levantar mais de cinco libras com o braço para o resto da sua vida.

Restrições de condução são geralmente baseados no braço que está lesionado (o braço direito é utilizada para mudar as marchas, por exemplo), e sobre a utilização de medicamentos para a dor. Narcóticos, tais como a morfina ou a codeína, prejudicar o julgamento e, portanto, prejudicar a capacidade do doente para conduzir o veículo.

Os efeitos colaterais. Alguma dormência no lado do dedo mindinho da mão ou a fraqueza da mão e do pulso pode resultar da cirurgia. Isto é provocado pelo alongamento do nervo ulnar durante a cirurgia, e é muitas vezes temporária e resolve ao longo do tempo.

Especialmente logo após a cirurgia, alguns pacientes podem não ser capaz de endireitar o cotovelo machucado por conta própria. Para endireitar o cotovelo, o paciente precisa usar o seu braço bom para ajudar, ou assistência de outra pessoa. Isto é mais comum quando outras fracturas também ter ocorrido, ou quando a ponta do cotovelo tiveram de ser cortados e reparados durante a operação.

Outcomes

Objetivos. O objetivo final do tratamento para uma fratura de úmero distal é para recuperar o movimento total do cotovelo, como era antes da lesão.

Alguns pacientes podem retornar às suas atividades normais (exceto esportes e trabalho pesado) dentro de cerca de 6 meses, embora a cura completa pode levar um ano ou dois.Apesar de raios-x pode mostrar que a fratura foi curado completamente, muitos pacientes relatam que ainda não está se sentindo 100% melhor. Estes doentes vão continuar a melhorar à medida que o tempo passa.

Recuperando-se de força no braço leva muito mais tempo do que seria de esperar, às vezes 6 meses ou mais.

Considerações. Em alguns casos, as pessoas com fratura de úmero distal têm problemas a longo prazo.

  • Amplitude de movimento. Mesmo após a fratura foi curado, pleno movimento do cotovelo pode não ser possível. Na maior parte destes casos, o paciente não pode endireitar totalmente seu braço. Normalmente, a perda de alguns graus de alisamento não terá um impacto sobre a forma como o braço vai trabalhar no futuro, inclusive para esportes ou trabalho pesado. A perda de uma quantidade significativa de movimento podem necessitar de terapia intensiva física, órteses especiais, ou uma nova cirurgia para corrigir o problema. Este é incomum para fraturas do úmero distal.
  • Ossificação heterotópica (OH). Um problema raro que pode ocorrer após a cirurgia é o crescimento do osso nos músculos, tendões e ligamentos ao redor do cotovelo.Isso é chamado de ossificação. Quando isto ocorre, o osso é crescente em que não deveria ser, e pode bloquear o movimento do cotovelo.

Alongamento não vai ajudar com este problema. Se houver formação de osso extra e limites de movimento significativamente ou completamente, uma cirurgia adicional pode ser necessária para remover o osso extra.

Esta cirurgia é frequentemente atrasada até que o osso tenha parado de crescer (até que tenha “maduras”) de modo que não vai voltar a crescer novamente, uma vez que é removida. Se o osso adicional requer a remoção, fisioterapia intensa será após a cirurgia necessária para que a amplitude de movimento restaurado durante a cirurgia não está perdida. Durante as primeiras seis semanas, esta terapia pode ser bastante doloroso, e alguma perda de movimento irá ocorrer. No entanto, para pacientes motivados, exercícios para ajudar a recuperar a amplitude de movimento pode retomar após este período de tempo.

Cirurgiões não entendemos completamente por que HO acontece em alguns pacientes. Muitos médicos acham que exercícios de movimento do cotovelo início e motivação dos pacientes para melhorar rapidamente pode ajudar a prevenir este problema.

  • Elbow artrite reumatóide. Elbow faz com que a articulação do cotovelo para se tornar forte e doloroso. É um resultado lamentável, mas relativamente comum, a longo prazo de fraturas do úmero distal.

Artrite cotovelo pode ocorrer rapidamente após a fratura, ou pode levar anos para se desenvolver. Ela ocorre, se o revestimento da articulação do cotovelo (cartilagem) foi danificada da fractura, ou se a fractura do revestimento leva a desgaste ao longo do tempo.

Tenha em mente que nem todos os que rompe suas úmero distal irá desenvolver artrite do cotovelo. Além disso, a artrite cotovelo nem sempre é doloroso. Nem sempre limitar a capacidade de um indivíduo de usar o braço, e se não for incômodo, não requer tratamento médico.

 

Leave a Reply